domingo, 17 de outubro de 2010

Enquanto todos me dizem que preciso ser forte,que o silêncio é arma,a indiferença é o que mata,e viver é preciso,fugir de toda essa loucura que acomete as pessoas,o medo nojento que os outros têm de dar amor,e receber também em troca.O amor é essa ciranda onde todos rodeiam,e cantam,exibem sorrisos e feições de satisfação,em que eu me encontro excluída,sentada num canto,de braços cruzados e cara amarrada.Ninguém me convida,e fico apenas atenta,observando os casais que se completam,a vida que se move,e os beijos que não dou,as juras eternas que não escuto.Fujo algumas vezes, tapo os olhos em outras,mas a roda incessante e desgovernada apenas brinca de bobinho comigo e minha esperança em ser chamada;garotinha tola que quer se divertir um pouco,e não sabe entrar - apenas pedir, pedir e pedir,nunca penetrando de vez.Se deixando iludir por cartas,e signos,mensagens inoportunas,sinais divinos,que na verdade dizem nada e fantasiam qualquer dúvida posta em questão.
Fica difícil assim me focar em mim de imediato,em tudo que sinto,em curar a cada dia toda essa peste que me tomou o alma,e embeveceu a vivacidade que eu carreguei,até aqui:só se vê os defeitos,aquilo que precisa ser melhorado,e expectativas tão longínquas,que não satisfazem,e sim,enlouquecem.Só quando sozinha é que me deixo ficar meio down,e coloco o dedo na ferida.Escuto músicas sofríveis,e leio melancolias.Dói, mas passa.E esse desespero de me verem assim na fossa, mal à beça?Calma,que preciso escancarar essa dor até o final,que ela é só minha,e libertar o peito,a alma.Tirar talvez um ódio de onde não consigo,e de quem não tenho,mesmo que passageiro,para que eu sobreponha no local onde ainda há quase tudo o que sinto,e que precisa ser esvaziado,pouco a pouco.Sair desse poço,largar de vez o osso,desses restos que não alimentam, e sim,atrofiam o que de belo existia,e se queria profundamente.Porque ainda é setembro,e toda uma primavera virá,até que se torne verão novamente.Terá passado tanto tempo,que as respostas chegarão sem medo e nem culpa,e voltarei a ser inteira como fui até certo tempo.Sem voltas comemoradas,e inexplicáveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário