quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

a arte de fingir.

E eu não conseguia sequer falar, o único som que emitia era o de minha respiração.. Conseguir olhar naqueles olhos sem que os meus transbordassem em lágrimas já era um esforço demasiado.

- "Diz alguma coisa pelo amor de Deus!"- Disse ele, mostrando estar desesperado.
Continuava de cabeça baixa, com o cabelo cobrindo o rosto.
- "Por favor, não me ignora, olha nos meus olhos! Diz pra mim que vai ficar bem.". - E levantava meu rosto.
... O que quer que eu diga? Tá doendo muito, e vai doer mais quando eu acordar e pensar em nós, quando o efeito do remédio passar e eu tiver que viver, meu coração vai transbordar de sangue, não poder te tocar todos os dias vai ser a pior coisa que já me aconteceu, tá tudo sem cor e eu não tenho mais forças pra segurar estas lágrimas, prometi pra mim mesma que não choraria na sua frente, mas não tá dando, é impossível. Eu queria agora ser ela e ter o seu amor, queria ter sido capaz de te fazer me amar, mas eu não fui! E nesse momento te deixar partir está me matando, te dizer que seja feliz sem mim foram minhas palavras mais altruístas, pode ter certeza. Eu amo muito você, grande, bem grande.. Tão grande que não coube em mim, e nem que quisesse caberia em você.
- "Eu ficarei bem.Ótima aliás !"
- Ana

Nenhum comentário:

Postar um comentário